Querer faze tudo e o desejo de não fazer nada. O excesso de estímulos e o volume de informações, a necessidade de consumir sempre, e de ser, eu própria ( performer e na vida real - se é que existe separação ) sempre um produto consumível e gerar sempre novidade. Ter que agradar. Comunicar. Criar. Fazer. Vender. Fazer de novo. A sensação de ser responsável por tudo o que acontece na própria vida e um estranhamento que pergunta : será ?
Poder não explicar com palavras.
Ainda sem forma e sem nome, um desejo de me experimentar manipulável . De que outros me transformem no que eles querem (e já não é isso o tempo inteiro ?).